O que é o projeto?

Qual é o conceito deste projeto?

Pois bem, Tractos é uma ação em arte e tecnologia dos artistas Soraya Braz e Fabio FON a ser inicialmente desenvolvida em regiões limítrofes urbanas. Chamamos de limítrofes as regiões que, em virtude da dispersão da cidade, desenvolvem características urbanas singulares. Este projeto busca problematizar este contexto a partir de criações em arte e tecnologia que equacionam um imaginário das pessoas que vivem nestas regiões, as possibilidades criativas de dispositivos tecnológicos e as potencialidades poéticas de representação destes lugares. A ação proposta se desenvolve resumidamente dentro do seguinte plano: os artistas proponentes elegerão regiões da região metropolitana de São Paulo com as características já descritas; em cada uma destas regiões se desenvolverão workshops com intuito de criar diferentes mapas tátil-sonoro-interativos a partir do imaginário dos participantes; este imaginário se circunstanciará em sons a serem coletados na região e em mapas a serem desenhados.

Não entendeu? Então, veja o vídeo que publicamos no YouTube com tudo muito bem explicadinho.

E o que são mapas tátil-sonoro-interativos?

Trata-se de uma plataforma de criação baseada no toque físico do espectador/interagente diretamente na obra, disparando sons inseridos em um sistema baseado em programação computacional e que referenciam a um território. Os mapas criados atualmente por Tractos são produzidos com grafite sobre papel.

Neste vídeo, você pode entender melhor o que é que acontece quando se toca um dos mapas tátil-sonoro-interativos.  Aqui temos a exibição do mapa produzido pelo workshop na região do Grajaú, São Paulo.

 

OK. Mas, eu quero é saber sobre as oficinas/workshops. Como serão?

As oficinas/workshops estão voltadas para públicos que tenham interesse em arte e tecnologia e que desejem pensar e criar sobre o bairro (ou região) em que vivem. Não é necessário conhecer algum software ou técnica específica, mas é desejável que tenham afinidade mínima com equipamentos eletrônicos e que gostem de desenhar! As atividades preveem a criação de um mapa que reunirá sons da região em questão. Os participantes poderão trazer sons capturados do cotidiano do bairro para fazer parte deste trabalho coletivo. Propõe-se criar um mapa que será sensível ao toque dos visitantes – e que executará sons da região a cada interação – daí a ideia de um “mapa tátil-sonoro-interativo”. Em regra, as oficinas/workshops serão desenvolvidas no decorrer de quatro encontros em instituições parceiras em cada uma das regiões. Os mapas, depois das atividades concluídas, serão expostos para o público em geral.

Neste vídeo no qual apresentamos as ações realizadas em 2015, você pode entender melhor sobre como são as dinâmicas das oficinas/workshop de Tractos.

 

Quais são as regiões onde projeto já aconteceu?

Em 2015, Tractos foi realizado em Embu das Artes/Pirajussara, Grajaú, Itaquera e Ilha do Bororé, áreas localizadas na região metropolitana de São Paulo. Outras ações têm sido realizadas; acompanhe as novidades no blog deste site.

 

E como eu posso participar das oficinas/workshops?

Cada ação possui práticas diferentes de inscrição e seleção para participantes. Confira nas publicações deste site as informações disponíveis. Em alguns casos, as instituições que acolhem a oficina/workshop realizam a inscrição de interessados.

 

Por que o título do projeto é “Tractos”?

O título TRACTOS, no singular, vem a significar pedaço de terreno, extensão, ou simplesmente separação ou intervalo. Mas, percebe-se que encapsula (tal como uma palavra-valise) outros sentidos diretamente ligados a prática deste projeto como “tatos”, “actos” (do português europeu) ou “traços”. O projeto busca envolver diferentes sentidos tendo por base a tecnologia digital, a sonoridade despercebida do cotidiano e o desejo de dar novos sentidos a estas regiões.

 

Este projeto teve o apoio em sua concepção e realização do Programa de Ação Cultural da Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo no âmbito do Edital n. 33/2014 – Projetos Especiais – Moda, Artesanato e Cultura Digital.